O Homem do Sofá Velho

O Homem do Sofá Velho Ele ficou sentado ali No canto da sala Como parte do sofá Velho e desgastado. Estava empoeirado Tecido puído Mofado, esquecido Desbotado. Os olhos abertos Fitando a TV Como olhos de um boneco De pano. Perdido Aguardando o filho Jogar-lhe no lixo Como outrora fizera Com aquele brinquedo Que ele […]

Versos Livres

Que minha determinação e meu amor ultrapassem quaisquer barreiras. Que minhas palavras ganhem vida e, uma a uma, alcancem rincões que eu mesmo nunca alcançarei. Que voem por ares que não posso voar e toquem o coração dos mais variados seres. Que mergulhem na profundeza de suas almas e sintam o que jamais sentirei. Que […]

Japão, Abril de 2015, RLT

A Noite do Samurai

Uma escada escura Com pequenas luzes rosas: Sakuras na noite. Calçados descansam Sob o som de linguas tímidas. Os olhos traduzem. A sala de espera, O copo d’água gelada, Música ambiente… O convite mudo A deitar-se sobre a cama: A folha ao orvalho. O primeiro toque Do sol descongela a pele Que desperta muda. Os […]

Oceano Particular

Cumprimentei-me lá de cima. A idade fitava-me nos olhos. Meu sorriso era incentivador, dizia somente o necessário. O primeiro passo é sempre o mais difícil de todos. A inércia minava Minhas memórias: Folhas secas caídas No abismo secular. Dei-me as mãos um Segundo. O segundo Passo, mais leve, Guiou-me para as Profundezas de um oceano […]

Um Homem, Dois Silêncios

UM HOMEM, DOIS SILÊNCIOS A noite é anunciada No horizonte com o acender De luzes vermelhas e amarelas. Eu a recebo sentado na varanda De madeira. Desfruto aquele silêncio Das vozes indecifráveis Que fogem pelo interior da casa E misturam-se ao ranger Dos tacos sob meus pés. Ali, eles fazem companhia A outro silêncio que […]

Sonho e Tempo

Sonho e Tempo

Sob todas as coisas, o tempo. Tempo que passa de mansinho, sem fazer alarde. Mal percebemos sua presença. Por mais que olhemos o ponteiro das horas, mais tomamos como verdade a crença do ponteiro-estátua. Mas, par e passo, os segundos nos mostram que enquanto esperamos a vida corre. Sobre todas as coisas, os sonhos. Sem […]

Inconstante

Inconstante

Inconstante Inconstante. Vivo em constante movimento. Nome? Não possuo. Todos se perderam ao vento. Meus versos não possuem rimas, Minhas palavras não possuem forma, Meu português nasce da alma, e sua gramática morreu no pensamento. Monstruoso, Desprovido de certezas e razões. Belo, Do caos inicial, filho do suspiro da linguagem que se deu, da linguagem […]

Tempo Qualquer

Dá-se a hora de sentar à companhia de folhas em branco. Dá-se a hora de possibilitar a metamorfose de letras em poesia. Dá-se a hora de degustar a sinfonia do silêncio. Dá-se a hora de perceber o Humano, sangue sob pele; terra sob pés; sentimento sobre vida. Deu-se a hora do apequinar para tornar o […]