Poemas Selecionados – Episódio 02

Olá, pessoal, bem-vindos a mais um episódio do podcast Poemas Selecionados.

No episódio anterior, realizei a leitura do poema “Soneto do Amigo” de Vinicius de Moraes.

Hoje no Poemas Selecionados, leio “Poema em Linha Reta”, de Fernando Pessoa sob o heterônimo de Álvaro de Campos.

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos – mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

Gostou? Deixe nos comentários abaixo sua sugestão de poema para os próximos episódios e siga-me no SoundCloud para receber todas as atualizações sobre o podcast.

Um abraço e até o próximo episódio.

Podcast Poemas Selecionados – Episódio Um

Olá, pessoal! Neste post falarei sobre o lançamento do meu podcast Poemas Selecionados e sobre o primeiro episódio. Essa semana eu estava fazendo testes com o meu equipamento de som aqui em casa, até que tive a ideia de dar início a um novo projeto. Quem me conhece sabe como eu adoro ler poemas. Muitas vezes fico lendo sozinho, em voz […]

Defina Objetivos

Definindo Objetivos para o Final de 2016

Olá! Após alguns meses sem postar, estou finalmente de volta! E agora com o meu segundo post para o blog :D. Dessa vez eu decidi falar um pouco sobre algumas reflexões que fiz nos últimos dias e como defini alguns objetivos para a minha vida, – ou seja: estou reorganizando a “casa” – mais especificamente para esse finalzinho de […]

Inauguração do Blog

Boa tarde, caro leitor. Hoje eu decidi criar a categoria “Blog” aqui no meu site. “Por que? Isso já não é um blog?” Sim, você está certo. Porém, no último ano, usei este site quase que exclusivamente para compartilhar notícias literárias, meus textos – contos e poemas – e textos que considero interessantes. Mas, a partir de hoje, eu gostaria […]

Banner "O Lago Negro"

Minhas Impressões sobre “O Lago Negro”

Olá, amigos. Adivinhem quem voltou a aparecer aqui no site? Isso mesmo, a querida escritora Juliana Daglio, autora do livro “Uma Canção para a Libélula”. Desta vez venho com mais uma novidade. Na verdade, um material fresquinho: as minhas impressões sobre as vinte primeiras páginas do seu mais novo livro, O Lago Negro, que será lançado […]

O Homem do Sofá Velho

O Homem do Sofá Velho Ele ficou sentado ali No canto da sala Como parte do sofá Velho e desgastado. Estava empoeirado Tecido puído Mofado, esquecido Desbotado. Os olhos abertos Fitando a TV Como olhos de um boneco De pano. Perdido Aguardando o filho Jogar-lhe no lixo Como outrora fizera Com aquele brinquedo Que ele […]

Livraria Virtual Sanfer Livros

I Evento Literário da Livraria Virtual Sanfer Livros

No próximo sábado, dia 15 de Agosto, a livraria virtual Sanfer Livros completará um ano no ar. E adivinhe quem estará presente? Sim, eu! 😀 A organizadora do evento é a escritora e amiga, Yohana Sanfer que, mais uma vez, está fazendo um ótimo trabalho para divulgar a literatura nacional.   Essa edição de aniversário contará com a apresentação de livros, […]

Meu Conto “O Garoto do Balde Vermelho” no Brasil em Prosa 2015

Boa tarde, amigos. Para iniciar bem a semana, gostaria de compartilhar com vocês a publicação do meu segundo conto no site da Amazon Brasil para o concurso “Brasil em Prosa“. O meu primeiro conto publicado na forma de ebook na Amazon foi o conto Um Medo Para Dois e hoje publiquei o segundo, chamado “O Garoto do Balde Vermelho”.   […]

Meu Conto “Um Medo Para Dois” no Brasil em Prosa 2015

Boa tarde, pessoal. A Amazon, em conjunto com o jornal O Globo e a Samsung, está realizando um concurso de contos chamado Brasil em Prosa, onde escritores de todo Brasil poderão, até o dia 31 de Julho de 2015, publicar contos de no máximo 6 mil caracteres. Iniciei minha participação no concurso com o conto “Um Medo […]

Alice Munro – Discurso da Cerimônia de Premiação do Nobel de Literatura de 2013

Alice Munro foi a escritora agraciada com o Prêmio Nobel de Literatura de 2013 por ser “mestre da narrativa breve contemporânea”. Alice foi a primeira pessoa na história do Nobel a receber o prêmio por escrever exclusivamente contos.   No discurso de cerimônia do prêmio, o professor Peter Englund fez a leitura de um texto em […]