Banner "O Lago Negro"

Minhas Impressões sobre “O Lago Negro”

Compartilhe com seus amigos
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Olá, amigos. Adivinhem quem voltou a aparecer aqui no site? Isso mesmo, a querida escritora Juliana Daglio, autora do livro “Uma Canção para a Libélula”. Desta vez venho com mais uma novidade. Na verdade, um material fresquinho: as minhas impressões sobre as vinte primeiras páginas do seu mais novo livro, O Lago Negro, que será lançado em breve pela editora Arwen.

Fique de olho e não perca nenhuma informação pois o livro promete! Agora chega de enrolar e vamos ao que interessa.

capa lagonegro ArwenNão poderia começar a falar sobre ele sem citar a porta de entrada de todo e qualquer livro: a sua capa. Se você gostou da capa do primeiro livro da autora, com certeza vai adorar esta. A editora acertou em cheio! O material está com uma qualidade impecável e, pela pequena amostra que tive, parece estar completamente de acordo com a ideia central da história.

…o esquecimento é a única vingança e o único perdão.
Jorge L. Borges

Um livro que começa com uma citação de Borges já aguça a minha curiosidade e faz reserva num canto especial do meu coração. Sei que isto é um simples detalhe, um adereço que, para muitos, não possui importância, mas nenhuma palavra é impressa em vão num livro.

Muito mais se tratando de Juliana Daglio.

O prólogo se passa na mente de um dos personagens. O cenário onírico revela as inquietações e desejos ocultos de um indivíduo que está no limite da sua sanidade. A todo o momento percebe-se uma sensação de inquietude e de dúvida. Um desejo materializado na forma de uma bela garota de olhos roxos que, a priori, não se sabe quem é. Cria-se uma tensão e uma curiosidade: “o que essa garota significa? Quem é ela?” O personagem dança na confusa mistura entre presente, passado e mundo imaginário, matérias primas de todos os sonhos.

O prólogo levanta questões antes de chegar ao fim e o leitor vê a garota e as respostas para as suas perguntas perderem-se no lago negro.

Primeira Parte: Loucura e Sanidade

Se existe uma coisa que deve ser muito bem desenvolvida em qualquer boa história é a construção dos personagens. O primeiro capítulo nos apresenta alguns, dentre eles Verônica – a narradora – e Enzo. Apesar das poucas páginas que me foram apresentaras, eu já simpatizei com eles. Em muitos dos livros que leio, o autor tende a “homogeneizar” os personagens, empobrecendo-os. Personagens sem profundidade tornam a história igualmente rasa, fazendo com que eu perca completamente o interesse. Perde-se a verossimilância. Bons personagens emocionam, irritam, aguçam os sentimentos do leitor.

No Lago Negro, já percebemos de cara as aspirações de Verônica, sua insegurança, imaturidade… Os personagens são bem apresentados, desde Pedro, o motorista turrão do caminhão de mudanças, ao Ancião antipático e aos personagens principais.

Este capítulo já começa a nos dar algumas pistas do que está por vir. Ele tem início no presente e depois nos transporta para o passado. Parece-me que a autora, em alguns momentos, nos fornece pequenas amostras para degustação. O queijo está sobre a mesa, mas você só pode comer um pedacinho. E o que acontece quando o faz? Exatamente: você quer comer mais! Isso ocorre na descrição dos olhos da Verônica e nos da garota do prólogo. Acontece no jeito como o Ancião encara-os com estranheza e no momento que ela descreve a garota em seu livro, cujos cabelos mudam de cor… São detalhes – olha eles aqui novamente! – que revelam um propósito maior.

Enfim: estas vinte primeiras páginas causaram-me boa impressão. Aguardarei ansioso pelo lançamento e, CLARO, prepararei uma leitura anotada bem completa quando recebê-lo em minhas mãos.

Gostaria de deixar registrado aqui meus agradecimentos à Juliana por ter disponibilizado com tanto carinho parte do seu mais novo filho.

Um grande abraço e até a próxima! 😀

 

 

 

 


About rltoscano

Nascido na cidade de Niterói em 1987, Rafael L. Toscano graduou-se em Ciência da Computação pela Universidade Federal Fluminense e trabalha atuando na própria área. Começou a escrever contos e poemas quando adolescente e guardava-os em diversos arquivos em seu computador ou num pequeno caderno. Em 2012 criou a página com o seu nome no Facebook, onde começou a publicar textos mais curtos sobre temas diversos. Mas foi em 2014 que passou a atualizá-la com maior frequência e a dedicar-se mais à sua maior paixão: a escrita.
Leitor e escritor apaixonado, Rafael é autor e desenvolvedor do site OToscano.com e está terminando o seu primeiro livro, um romance policial intitulado “Enforcados”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *